sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Pérolas do ENEM 2009:

Aquecimento Global...esse foi o tema da redação do Enem 2009. Como de costume não faltaram muitas "preciosidades".

"...paremos e reflitemos..." ( isso aí,beleza);

..." o que vamos deixar para os nosso antecedentes? " ( pelo visto devemos deixar dicionários);

"...convivemos com a merchendagem e a politicagem..." ( assim só chamando GZUS);

"...na cama dos deputados foram votadas muitas leis..." ( poxa,deixem a vida privada dos políticos em paz, até no banheiro eles podem criar leis,heheheh.);

"... a camada de ozonel..." ( essa prefiro não comentar);

"...o povo amazônico está sendo usado como bote xpiatório..." ( cuidado para não naufragar);

"...retirada claudestina de árvores..." ( nossa,caráulio);

"... temos que criar leis legais contra isso..." ( essa foi ótima, pois muitas leis ilegais estão sendo criadas no Brasil pelo visto);

"...a Amazônia é explorada de forma piedosa..." ( ah...de forma piedosa tudo bem,pode...);

"...espero que o desmatamento seja instinto..." ( e eu que as pessoas estudem mais);

"... a emoção de poluentes atmosféricos aquece a floresta..." ( que bonito isso,até me emocionei);

"... precisamos de oxigênio para nossa vida eterna..." ( poxa, a medicina está evoluindo,concordo, mas a ponto de deixar a vida eterna,ufa...assim existe tempo de sobra para a leitura e conhecimento de nossa Língua);

"...os desmatadores cortam árvores naturais da natureza..." ( está resolvido o problema,é só eles cortarem as árvores de plástico);

"... na floresta amazônica existem muitos animais: leões,ursos, passarinhos,etc." ( a globalização tem afetado até a natureza);

Fico por aqui, mas há inúmeras "preciosidades" nos textos..... ter como principal assunto o que aconteceu no Big Brother ontem à noite provoca isso, vamos Brasil.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Língua - Classes Gramaticais:



Na língua portuguesa as classes gramaticais funcionam de modo a definir o sentido interpretativo de uma oração. São dez as classes existentes, sendo elas:


Substantivo: são palavras que designam tanto seres visíveis ou não, animados ou não (quanto ações, estados, desejos, sentimentos e ideias);

Comum - fácil de identificar, pois se trata do nome de animais, objetos ou "coisas" em geral. Exemplos: faca, mesa computador, entre outros.
Próprio - só podemos relacioná-lo a nomes de pessoas, pontos geográficos e nomes de planetas. Exemplos: Elaine, Ítalo, Márcio, Rogério, Clóvis, Brasil, Itália, Pernambuco, Marte, Vênus, entre outros.
Simples - apenas o use se aquilo a que você está se referindo não tiver qualquer tipo de composição. Porta, janela, arma, flor. Entre outros.
Composto - ao contrário do Simples, sua formação é composta por mais de um nome. Guarda-chuva, copo-de-leite, entre outros.
Primitivo - dele sempre sairá algum outro substantivo derivado. Podemos Ter como exemplo: relógio, leite, jardim, etc.
Derivado - o contrário do primitivo. Exemplos: Relojoeiro, leiteiro, jardineiro, etc.
Coletivo - grupos de animais, pessoas, objetos, astros, entre outros. Tomemos como exemplos: enxame, alcateia, constelação, etc.

Adjetivo: é a palavra que caracteriza os seres. Refere-se sempre a um substantivo explícito ou subentendido na frase, com o qual concorda em gênero e número;
Ex.: Bonita,bela, alta,baixa,etc.
Numeral: é a palavra que expressa quantidade exata de pessoas ou coisas ou o lugar que elas ocupam numa determinada sequência.

Numerais ordinais: terceiro, primeiro, décimo, etc.

Numerais Cardinais: um, dois, três, dez, etc.

Artigo: é a palavra que precede o substantivo, indicando-lhe o gênero e o número, ao mesmo tempo, determina ou generaliza o substantivo.

Artigo Definido: o, os, a, as.

Artigo Indefinido: um, uns, uma, umas.

Advérbio: é a palavra que basicamente modifica o verbo, acrescentando a ela uma circunstância.
Lugar: Lá, aqui, acima, perto, longe, embaixo, diante, atrás.
Modo: Bem, mal, rápido, devagar, assim, depressa e quase todos os advérbios terminados em mente (tristemente, calmamente…)
Dúvida: Possivelmente, talvez, porventura, provavelmente.
Negação: Não, nunca, jamais.
Afirmação: Sim, realmente, certamente.
Intensidade: Muito, demais, pouco, menos, bastante, meio, excessivamente.
Tempo: Agora, hoje, amanhã, jamais, nunca, logo, após, sucessivamente.


Pronome: é a palavra que substitui ou acompanha o substantivo, indicando a sua posição em relação às pessoas do discursou mesmo situando-o no espaço e no tempo;

CLASSIFICAÇÃO DOS PRONOMES:Há seis tipos de pronomes: 1. Pessoais: a) - pessoais do caso reto b) - pessoais do caso oblíquo (átono ou tônico) c) - pessoais de tratamento. Exemplos: a) - Pronome pessoal do caso reto. Eles acordaram cedo para viajar. b) - Pronome oblíquo átono Os professores nos orientaram corretamente. c) - Pronome oblíquo tônico.Ele deu um excelente livro a mim. 2. Possessivos: Exemplos: Não durma na minha cama. A sua televisão quebrou novamente. 3. Demonstrativos: Esta caneta é minha. Esse carro não é o teu? Aquele livro não pode ficar lá na mesa. Esta semana comprei meu carro. Esse mês batemos nossas metas. Aquele mês foi péssimo para o comércio. 4. Indefinidos: "Certos objetos chegam na hora certa." A primeira ocorrência da palavra ‘certos’ é realmente um pronome indefinido adjetivo variável, porém a segunda ocorrência é um adjetivo em estado puro.5. Interrogativos: Quantos livros ele leu nos últimos meses? 6. Relativos: Ela foi à candidata de quem mais se falou. (pronome relativo quem)

Preposição: é a palavra invariável que une termos de uma oração, estabelecendo entre elas variadas relações.
Ex.: DE, PARA, COM, essas pequenas palavras têm grande importância para nossa língua. Elas são usadas como elementos de ligação entre duas outras palavras e as chamamos de preposição.

Preposição » é a palavra invariável que liga duas outras palavras estabelecendo relações de sentido e de dependência.

Exemplo:

A casa de Luiz fica distante.

A preposição de relaciona Luiz e casa, indicando uma relação de posse: a casa pertence a Luiz.

Rios, Pontes e Overdrives é uma música de Chico Science.
Nessa frase a palavra de relaciona Rios, Pontes e Overdrives e Chico Science, indicando uma relação de autoria: Chico Science é o autor da música.

A preposição estabelece relações, vejamos as principais:

Autoria – música de Roberto Carlos;
Lugar – vou ficar em casa;
Tempo – viajaremos em duas horas;
Modo – chegou aos prantos;
Causa – morrer de fome;
Assunto – falamos sobre economia;
Fim ou finalidade – enfeitamos a casa para o aniversário;
Instrumento – cortou o papel com a tesoura;
Companhia – viajei com o meu filho;
Meio – viajaremos de avião;
Matéria – comprei um anel de ouro.

Aqui vai uma pequena lista de preposições: A, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para. Perante, por, sem, sob, sobre, trás.

Conjunção: é a palavra invariável usada para ligar orações ou termos semelhantes de uma oração.

Ex.: Pois, porque, porém, todavia, que, mas, assim, contudo, entretanto, e, etc.

Interjeição: é a palavra invariável usada para exprimir emoções e sentimentos.

Bravo! Bis!
bravo e bis: interjeição
sentença (sugestão): "Foi muito bom! Repitam!"
Ai! Ai! Ai! Machuquei meu pé...
ai: interjeição
sentença (sugestão): "Isso está doendo!" ou "Estou com dor!"
A interjeição é um recurso da linguagem afetiva, em que não há uma ideia organizada de maneira lógica, como são as sentenças da língua, mas sim a manifestação de um suspiro, um estado da alma decorrente de uma situação particular, um momento ou um contexto específico.

Exemplos:
Ah, como eu queria voltar a ser criança!
ah: expressão de um estado emotivo = interjeição

Hum! Esse pudim estava maravilhoso!
Hum: expressão de um pensamento súbito = interjeição
O significado das interjeições está vinculado à maneira como elas são proferidas. Desse modo, o tom da fala é que dita o sentido que a expressão vai adquirir em cada contexto de enunciação.




Exemplos:
Psiu!

contexto: alguém pronunciando essa expressão na rua
significado da interjeição (sugestão): "Estou te chamando! Ei, espere!"
Psiu!
contexto: alguém pronunciando essa expressão em um hospital
significado da interjeição (sugestão): "Por favor, faça silêncio!"
Puxa! Ganhei o maior prêmio do sorteio!
puxa: interjeição
tom da fala: euforia
Puxa! Hoje não foi meu dia de sorte!
puxa: interjeição
tom da fala: decepção
As interjeições cumprem, normalmente, duas funções:
a) Sintetizar uma frase exclamativa, exprimindo alegria, tristeza, dor, etc.
Por exemplo:
- Você faz o que no Brasil?-Eu? Eu negocio com madeiras.-Ah, deve ser muito interessante.
b) Sintetizar uma frase apelativa
Por exemplo:
Cuidado! Saia da minha frente.
As interjeições podem ser formadas por:
a) simples sons vocálicos: Oh!, Ah!, Ó, Ô.
b) palavras: Oba!, Olá!, Claro!
c) grupos de palavras (locuções interjetivas): Meu Deus!, Ora bolas!
A ideia expressa pela interjeição depende muitas vezes da entonação com que é pronunciada; por isso, pode ocorrer que uma interjeição tenha mais de um sentido.
Por exemplo:
Oh! Que surpresa desagradável! (ideia de contrariedade)Oh! Que bom te encontrar. (ideia de alegria)

Verbo: é a palavra que se flexiona em número, pessoa, tempo e voz. Em termos significativos, o verbo costuma indicar uma ação, um estado ou fenômeno da natureza.

Infinitivo: São os verbos em sua forma primitiva, ou em finais R.

Ex.: cantar, correr,sair,assistir,chutar,etc.

Gerúndio: São os verbos que apresentam final em “NDO”.

Ex.: cantando, seguindo, caminhando, falando, chutando, beijando, etc.

OBS.: A forma gerundiana não deve ser utilizada para designar futuro como gostam os atendentes de telemarketing.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Língua - Conotação e Denotação:

A Língua Portuguesa é uma Língua polissêmica, do latim "poli"(vários, muitos) , "semia"(significação), ou seja, através disso podemos constatar que o Português permite várias significações para um termo. Toda palavra usada em nossa língua possui o sentido primitivo(significado original,isto é, significação para aquilo que o termo foi criado): gata (animal) coração(órgão), e assim por diante...e todos os termos possuem vários outros significados adequados a diferentes significados. Tomemos o termo "coração" como exemplo, no sentido primitivo é possível: ...seu coração estava forte como um touro...no caso coração denota o sentido primitivo,real da palavra (órgão); em outro caso: ...ele era o coração da equipe...o termo coração está empregado em sentido figurado, representando centro, ser principal,etc.
Através disso há na Língua Portuguesa os sinônimos,antônimos, homônimos,parônimos que serão vistos mais além...e o sentido conotativo e denotativo.

Denotação - Denotar significa indicar realidade, ou seja, mostrar o sentido real da palavra, a compreensão geral.
Aquilo que todo mundo já conhece e ninguém discute. A denotação é o sentido que encontramos no dicionário.

Ex.: Casa - prédio térreo ou de dois andares, construído em madeira ou alvenaria que ser serve para moradia.

Conotação - Conotar significa sugerir a ideia através do uso de uma palavra para reforçar um pensamento ou para comparação. É o sentido figurado, aquele que usamos naturalmente, sem preocupações.

Ex.: Gata - Vou ao cinema com a minha gata (namorada).

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Voltando...

...estava meio afastado do blog, agora retorno...

Literatura- Resumo e análise- Cinco Minutos, José de Alencar.

Resumo:

Cinco Minutos conta a estória do casamento do autor com Carlota. No entanto, para o leitor, parece que está escutando uma história que não é para ele, já que Alencar dirige seu texto a uma prima. O leitor aqui é uma terceira pessoa, um "voyeur" que fica entre José de Alencar e sua prima. Ao mesmo tempo em que tenta levar o leitor a pensar que tudo é imaginário e faz parte das fantasias do autor, José de Alencar faz questão de narrar fatos verídicos da época, acontecimentos reais que marcaram o Rio de Janeiro no início do século. É tão minucioso nesse aspecto que até narra datas e horários etc. Atualmente as histórias do autor romântico passam como que quase infantis e ingênuas para o leitor moderno. São narrações em que o amor sempre vence decisões passionais de amantes, amor e amor e amor. À época, os folhetins eram lidos pelas senhoras burgueses. Exagerando-se um pouco na dose, poderíamos dizer que Alencar lembra remotamente, os livrinhos que embalam os sonhos de moças solteiras, no entanto não se pode deixar de dizer que sua escrita, linguagem, e modo estilísco são de extrema qualidade. Foi Alencar quem se dissociou do modelo português da escrita para definitivamente inaugurar o texto nosso, brasileiro. Os livros Cinco Minutos e A Viuvinha falam sobre a vida burguesa. Suas personagens são personagens que, no fundo, representam o ideal acabado da vida burguesa, tropicalmente reproduzida na Corte brasileira. Em Cinco Minutos, o narrador-personagem está disponível, da primeira à última página, para satisfazer a todos os caprichos de sua imaginação. Sem compromisso profissional algum, o aspecto financeiro de suas peregrinações atrás de Carlota não chega jamais a preocupá-lo.

Análise:

José de Alencar não era um adepto das convenções sociais marcadas pelo tempo cronológico,ou seja, hora para fazer isso,horário para fazer aquilo...achava que os seres não podiam ficar submetidos a um aparelho com pequenos ponteiros e que esse ordenasse suas vidas. Isso fica evidente também na obra -Cinco Minutos- devido ao fato da personagem conhecer o amor de sua vida através de um atraso de cinco minutos em relação a sua rotina diária, ou seja, o atraso pode ser benéfico ,segundo o autor.
Cinco Minutos é um romance bem curto que conta uma estória de amor contada na cidade do Rio de Janeiro, em meados do século XIX. O autor usa de um artifício para contar essa estória ao leitor: ele finge que está contando o fato a prima dele através de uma carta. Em Cinco Minutos, o narrador-personagem está onipresente da primeira à última página. O titulo do livro chama bastante atenção pelo o nome : Cinco Minutos. A ilustração da capa também chamou a atenção, pois havia uma mulher com uma carta na mão. Na intenção de dar aparência real à sua estória, o autor faz citações precisas de locais e horários e ainda uma mistura de realidade e fantasia, imaginação e romantismo.
O autor (José de Alencar) que participa da obra é um dos maiores escritor de ficção do nosso romantismo e escreveu vários livros que focalizam os diversos aspectos de nossa realidade. Alencar nasceu em Messejana , em 1829, e foi advogado, jornalista e político. Morreu no Rio de Janeiro, em 1877.
Na obra existem dois principais protagonistas... o narrador: que se caracteriza por ser um homem rico e sem profissão que não liga para bens matérias e seu amor Carlota: que é uma moça de 16 anos. Os dois possuem uma coisa em comum... eles são românticos... um personagem antagonista que é a mãe de Carlota e vários outros personagens secundários. O texto é desenvolvido em Três cidades : Andaraí (Minas), Rio de Janeiro e Petrópolis. A obra acontece aproximadamente ao tempo cronológico de três meses.
Enfim, o livro relata um pouco da realidade vivida pelo autor envolta em fantasia, imaginação e romantismo.